Salvador

A voz dos Bairros: conheça a vida cultural de bairros de Salvador

São Caetano, Itapuã, Nazaré, Rio Vermelho, Sussuarana e Santo Antônio Além do Carmo fazem parte do guia cultural

Flavia Vasconcelos (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em


O iBahia selecionou  alguns bairros da capital baiana para conferir o que os moradores fazem para se divertir e se alimentar de cultura sem precisar se deslocar para muito longe. O resultado foi uma agenda repleta de dicas boas e baratas (muitas delas gratuitas), para todos os gostos e idades. Os bairros escolhidos foram São Caetano, Itapuã, Nazaré, Sussuarana, Rio Vermelho e Santo Antônio Além do Carmo. Fique atento às atrações de cada bairro e aproveite para conhecer os artistas talentosos da nossa cidade. Faça a sua programação e divirta-se!
Todos os domingos a praça Almeida Couto, em Nazaré, recebe o Grupo Cultural Canto da Praça e convidados
Nazaré
Quem pensa que o bairro de Nazaré é um marasmo total aos domingos, está super enganado. Entre 9h30 e 12h30, a praça Almeida Couto, ao lado da Biblioteca Infantil Monteiro Lobato, fica lotada de admiradores do chorinho, principal ritmo musical tocado pelo Grupo Cultural Canto da Praça. Logo cedo, os vendedores ambulantes começam a chegar, com isopores de bebida e salgados, e os espetinhos de churrasco começam a ser preparados. Rapidamente, os arredores da praça se transformam em estacionamento e, quanto mais tarde mais difícil de encontrar uma vaga. 
Barracas são montadas para atender ao público fiel da praça, aos domingos
Esta movimentação acontece há sete anos, quando os amigos Euvaldo Carvalhal, Erivaldo Moradillo e João Dias resolveram se juntar e criar o grupo. Hoje já recebem a participação de dez músicos para revezarem nestas três horas e meia de música. Além de chorinho, o grupo teve que adaptar o repertório, incluindo as serestas para agradar o mais velhos, que são a grande maioria.
No último domingo (27), a festa começou um pouco mais tarde, às 12h, por conta das chuvas, e se estendeu até às 17h. Mesmo nublado, o cenário era de muita animação! Por volta das 16h, alguns casais ainda dançavam ao som de clássicos como ‘Índia’, sucesso na voz de Roberto Carlos e a extinta dupla Cascatinha e Inhana. Música em um ambiente agradável, aberto ao público, todos os domingos. Vale a pena conferir!São Caetano
O Café atelier de JC Barreto é um dos espaços culturais de São Caetano
Para quem gosta de reggae, rock, hip hop e poesia, e nunca foi ao bairro para curtir, não sabe o que está perdendo. Graças aos grupos culturais muito bem organizados e articulados do bairro, acontecem eventos como o Musiarte e o São Caetano Resistência, que trazem música, poesia, teatro e capoeira para a comunidade e estão de portas abertas para quem vem de fora. 
O projeto Musiarte, promovido há um pouco mais de quatro anos, é coordenado pelo músico Luciano Robô e acontece de 15 em 15 dias, aos sábados, no bar da Tia Dedé, apelido carinhoso dado a Valdelice Santana, uma senhora muito simpática e acolhedora, que mantém o bar há mais de 20 anos. O lugar, aberto das 9h às 22h é amplo, com quintal ao fundo e já virou um dos espaços culturais do bairro. 
Participaram do Musiarte artistas como Wilson Aragão, Capitão Corisco, do grupo Bando Virado no Mói de Coentro e convidados internacionais como a banda de hardcore crust punk venezuelana Amordazados. Além dos convidados, as atrações fixas do projeto são do próprio bairro, como o grupo de teatro A Pombagem, pautado em poesias de cunho social. O grupo foi criado em 2009 pelos moradores do bairro, os ativistas culturais Fabricio Britto, Patric Adler e Uilton (conhecido como Chicão), porém, como é uma companhia aberta de arte, há também espetáculos onde se encaixam diversos outros atores, dentre eles, o artista de rua Pareta Calderasch, a poetisa Taíssa Cazumbá, o rapper Bruno Suspeito, o poeta Giovane Sobrevivente, entre outros.
Grupo A Pombagem em ação no Espaço Tia Dedé
O reggae do músico Val da Mata e o som da banda Confusão, que mistura vários ritmos à música nordestina, também fazem parte das atrações. “Temos muitos artistas bons aqui no bairro, mas a discriminação racial pesa muito, por isso que não temos visibilidade”, afirma o poeta Giovane Sobrevivente. Outro espaço utilizado pelos moradores para agitar culturalmente o bairro é a Quadra de Esportes. Lá acontece, aos finais de semana, o São Caetano Resistência, coordenado pelo rapper Bruno Suspeito e tem como carro chefe o Hip Hop. O café atelier do artista plástico JC Barreto também entra no circuito. Todas as sextas e sábados, o lugar, com uma decoração estilizada, oferece cultura, boa comida e cerveja gelada.  “Com evento programado ou não, sempre tem cultura”, diz JC Barreto.
Itapuã
Os moradores fazem oficinas de instrumentos musicais na Casa da Música
Eternizado na voz do cantor, compositor e poeta Vinícius de Moraes, com a música ‘Tarde em Itapuã’, o bairro de Itapuã por si só já teria um grande valor cultural. Bairro onde fica localizada a famosa estátua do poetinha, também é dotado de uma paisagem natural exuberante como o Parque Metropolitano do Abaeté. E é lá, rodeado pela areia branca e a água escura da Lagoa do Abaeté que funciona há 19 anos a Casa da Música, onde acontecem saraus, exposições temporárias, bate papos musicados e oficinas de instrumentos musicais e canto.
A Casa também promove bate papos sobre música para os visitantes
De acordo com o coordenador da Casa, o músico e ator, nascido em Itapuã, Amadeu Alves, o maior objetivo da Casa da Música é aproximar a comunidade das expressões culturais. Para isso, a Casa abre espaço para artistas do bairro poderem divulgar o seu trabalho nos saraus. Músicos renomados como Margareth Menezes, Jorge Vercilo, Jota Veloso, entre outros, também já participaram do evento, que acontece quinzenalmente, às segundas-feiras. Além disso, os moradores têm acesso a oficinas de violão, que acontecem toda segunda, de violino, as terças, pandeiro, as quartas, sextas e domingos e de canto, todas as quintas. Aberto para visitação de terça a sábado das 9h às 17h, e aos domingos das 9h às 16h, o espaço atualmente abriga o primeiro trio elétrico criado por Dodô e Osmar, a Fobica original. A partir do dia 31 de maio iniciará o Arraiá da Casa da Música, todas as quintas, até 28 de junho, com apresentação de artistas como Bule Bule, o grupo Barlavento, entre outros. Um exposição sobre os 100 anos de Luiz Gonzaga também está prevista para o mês de agosto, além do bate papo musicado sobre A História da Música de Itapuã, no dia 14 de junho. Além das programações culturais, a Casa da Música tem em seu acervo mais de 200 fitas VHS de músicos regionais e nacionais, bem como LPs. Mais informações sobre o local podem ser obtidas no blog da Casa ou pelos telefones (71) 3116-1511 e 3116-1512.
Sussuarana
O Sarau da Onça mistura música, poesia e teatro todos os sábados, há um ano em Sussuarana
A poesia se mistura a música, dança e ao teatro no Sarau da Onça, realizado há um ano, todos os sábados, em Sussuarana, por grupos de amigos e jovens mobilizadores do bairro. O sarau abre espaço não só para os artistas locais, mas também para grupos, artistas e poetas de outros bairros de Salvador e de outros estados, que vão surgindo e se identificando durante o processo de construção.  O nome em homenagem ao bairro – Segundo os antigos moradores, o nome Sussuarana surgiu graças ao aparecimento de uma onça da espécie sussuarana –, colabora ainda mais para a originalidade do evento. Os encontros acontecem sempre aos sábados, realizados no Centro de Pastoral Afro Padre Heitor (CENPAH), por não existir nenhum centro cultural ou espaço destinado à promoção da cultura e lazer num bairro com aproximadamente 164 mil habitantes. 
No último sábado (26), o Sarau comemorou seu aniversário de um ano, ao som dos grupos Os Agentes, Guetto A + Risco 88, Leo Soulza, Insurreição RAP, SuspeitoUmDois e Pacto Rap e foi realizado excepcionalmente no Centro Afro de Promoção e Defesa da Vida PE. Ezequiel Ramim (CAPDEVER). Casa lotada, muita animação, ritmo e criatividade! Segundo a organização do evento, para o próximo sábado (2), estão previstas as participações, entre outros, do grupo de rap Opanijé. Para ficar sabendo da programação do Sarau da Onça, acesse o perfil do evento nas redes sociais. 
Santo Antônio Além do Carmo
O Grupo Botequim agita o Santo Antônio Além do Carmo com uma roda de samba todas as últimas sextas do mês
Todas as últimas sextas-feiras do mês é dia de samba no Santo Antônio Além do Carmo, bairro histórico de Salvador, localizado entre o Pelourinho e o Barbalho. O Grupo Botequim comanda a roda de samba mais badalada da cidade, sempre às 21h, com convidados especiais. No repertório, homenagem a grandes sambistas baianos e brasileiros como Batatinha, Cartola, Noel Rosa, entre outros. Antes são sempre exibidos documentários com temática da cultura popular, pelo Projeto Cinema, Capoeira e Samba. O ambiente é de cidade do interior: uma igreja, um coreto e uma praça. O samba acontece em frente ao coreto, com entrada gratuita, e barracas ao redor, vendendo comida e bebida.
O samba, que acontece há quatro anos, já recebeu ilustres convidados como Walmir Lima, Clécia Queiroz e Juliana Ribeiro, e a cada edição conquista um público ainda maior.Rio Vermelho
Um dos bairros mais boêmios de Salvador, o Rio Vermelho é sempre uma opção de lazer para os baianos. O destino mais conhecido é o Largo de Santana, onde ficam bares e o famoso acarajé da Dinha, admirados por baianos e turistas. Porém, o bairro oferece muito mais!Todos os domingos, às 19h, é possível conferir uma roda de capoeira Angola, coordenada pelo mestre Sapoti. Na roda jogam crianças, mulheres, estrangeiros, adultos e mestres. O objetivo da roda é desenvolver a capoeira nas praças, como era praticada antigamente.
O espaço cultural Visca Sabor e Arte é uma nova opção para curtir música, poesia e exposições. O espaço é aconchegante e tem sempre uma programação diferenciada. O bar Casa da Mãe também é outra opção onde se encontra música e poesia, juntas. Todas as terças acontece o tradicional Sarau Comidinha de Panela, que começa às 22h, e não tem hora para terminar. Conta com a participação de músicos e poetas baianos, sem programação pré-definida. O cardápio, como o nome diz, é especial, com pratos bem regionais, principalmente vindos do recôncavo da Bahia.