Martagão Gesteira pode fechar 10 leitos de UTI por falta de verba


Foto: Divulgação

O Hospital Martagão Gesteira, localizado no bairro do Tororó, em Salvador, pode precisar fechar 10 leitos da Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) ainda em dezembro, devido a repasses financeiros desatualizados. A informação foi inicialmente publicada pelo Jornal Correio e confirmada ao iBahia pela assessoria da instituição. 

Devido aos repasses desatualizados, feitos pelo Ministério da Saúde, governo estado e prefeitura de Salvador, a instituição tem um prejuízo mensal de R$890 mil por causa dos 30 leitos de UTI. Isso acontece porque manter um paciente em um desses leitos custa, diariamente, R$2,4 mil ao hospital, que só recebe R$1,2 mil para cobrir os gastos.

Este ano, o Martagão Gesteira vai finalizar o ano com um déficit de R$8 milhões. A maior parte dessa dívida é devido aos leitos de UTI. Em crise desde maio deste ano, o hospital precisou fechar 10 dos 40 leitos que a unidade possuía. Infelizmente, isso pode acontecer novamente e pelo mesmo motivo.

Atualmente, 22 leitos da instituição são administrados pela Secretaria de Saúde do Estado (Sesab). Os outros oito leitos são mantidos através dos repasses de verba feitos pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS).

Questionada sobre a situação do Martagão Gesteira, a Sesab afirmou em nota que ” os repasses vêm sendo feitos de forma consecutiva e regular”. Além disso, o órgão afirmou que tem tido conversas para que sejam contratualizados mais leitos de UTI.

O iBahia também procurou a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) para esclarecimentos, mas não recebeu respostas até o momento de publicação desta reportagem.

Consequências

O Martagão Gesteria é considerada uma instituição de referência no tratamento pediátrico na Bahia. Cerca de 80 mil crianças e adolescentes são atendidas no hospital anualmente e a maioria deste público vem da rede SUS de atendimento.

Em outras palavras, as crianças atendidas são de famílias cuja renda per capta é menor ou igual ao um salário mínimo, o que não paga uma diária na UTI. Além disso, no ano passado, o hospital foi responsável por 50% dos atendimento oncológicos em pessoas de 0 a 16 anos na Bahia.

A instituição tem 28 especialidades em procedimentos de alta, média e baixa complexidade. Entre os tratamentos oferecidos estão a cardiologia, a neurologia e tratamentos de câncer.

Nesse sentido, a importância social da instituição é imensa e os atuais prejuízos afetam diretamente o acesso da população à saúde.

Leia mais sobre Salvador no iBahia.com e siga o portal no Google Notícias.