Prisco recebe alta médica e julgamento do habeas corpus é adiado


O vereador Marco Prisco, que liderou o movimento grevista da Polícia Militar da Bahia, já retornou para o Complexo Penitenciária da Papuda, em Brasília. Ele recebeu alta médica do Hospital Regional Asa Norte, onde estava internado em uma ala especial para detentos da Papuda, por volta das 12h desta terça-feira (20).

O julgamento do pedido de habeas corpus do vereador estava previsto para hoje no plenário do Superior Tribunal Federal (STF), mas foi a adiado a pedido dos advogados de Prisco, segundo a assessoria de comunicação do STF. O pedido será julgado na próxima terça-feira (27). No mês passado, o ministro Ricardo Lewandowski negou um pedido liminar de liberdade.

Na última sexta-feira (16), o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu ao STF que o vereador seja transferido para o presídio federal em Porto Velho (RO). O pedido também será analisado pelo ministro Lewandowski.

Ele estava internado em uma ala especial do Hospital Regional Asa Norte

O pedido do procurador foi feito após o resultado de um relatório médico, divulgado na quinta (15). A junta médica, formada por dois servidores do Supremo, concluiu que Marco Prisco “não apresenta, no momento, evidência de cardiopatia que exija tratamento hospitalar ou domiciliar.”O laudo é bastante claro: não há necessidade de internação hospitalar, de modo que não mais subsiste à manutenção do interessado no nosocômio [hospital]. A hipótese é de, em cumprimento ao que já determinado, presentes os requisitos da prisão preventiva, seja ele encaminhado para o Presídio Federal em Porto Velho.”, afirmou Janot.Marco Prisco foi preso em Salvador, no dia 18 de abril e transferido para Presídio da  Papuda, no Distrito Federal, porque a ordem judicial determinou que ele deve ficar recolhido em instituição prisional federal.No último dia 3, Prisco precisou ser levado para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) após passar mal no Presídio da Papuda. Os advogados do vereador chegaram a afirmar que ele havia sofrido um infarto, o que foi descartado pela Secretaria de Saúde do Distrito Federal.De acordo com a defesa do vereador, Prisco precisou ser internado após ter sido ameaçado pelos outros presos por ser um ex-policial militar. Houve uma tentativa de fuga no presídio e os detentos o acusaram de ser o informante.Matéria original: Correio 24h
Prisco recebe alta médica e julgamento do habeas corpus é adiado