Pai de primeira viagem em ‘Papai é Pop’, Lázaro Ramos recorda experiência na vida real: ‘Me vejo em diversas situações’


Foto: Alan Oliveira/iBahia

Pai de primeira viagem e atrapalhado no filme “Papai em Pop”, o ator Lázaro Ramos relembrou parte da vida real durante as gravações do longa, enquanto interpretava o personagem Tom.

Em entrevista ao iBahia, o artista contou que, entre uma mancada e outra e algumas discussões em cenas, ele acabou revivendo o período em que o filho mais velho, João Vicente, de 11 anos, havia acabado de nascer.

“O filme todo me lembra do meu processo de paternidade. Desde os vacilos que meu personagem dá, porque já vacilei também. Não com tanta constância, mas já dei meus vacilos de pai iniciante”, disse.

Lázaro detalhou que tinha noção do que fazer, afinal chegou a trabalhar em uma maternidade como técnico de patologia em Salvador, antes de alavancar a carreira como ator. No entanto, o nervosismo de ser pai criou algumas dificuldades no processo.

“Como técnico em patologia, o meu primeiro trabalho, o meu primeiro estágio, foi em uma maternidade. Então, eu sabia fazer tudo prático. Sabia trocar fralda, sabia esquentar mamadeira, sabia ver se estava com febre. Só que quando eu soube que iria ser pai, eu comecei a organizar isso tudo aqui na cabeça. A escola que iria ser, que eu iria ser um pai que abraçava muito, que iria conversar muito. No momento em que meu primeiro filho nasceu, eu comecei a fazer tanta besteira. Eu me perdi todo, porque aí entrou a emoção. Entrou a insegurança. A insegurança de não saber se eu iria ser responsável o suficiente, se eu iria saber cuidar direito, se eu iria ter todas as respostas”.

O ator esteve na capital baiana para o pré-lançamento do filme na cidade na segunda-feira (8). Mas o longa só chega aos cinemas na quinta-feira (11), a 3 dias do Dia dos Pais. Além da figura do pai atrapalhado, outros tipos de pais aparecem ilustrados na história, como citou Lázaro.

“Esse filme ele fala de um perfil de pai muito presente hoje em dia. As vezes o cinema fala do pai ausente, que não está nem aí para os filhos, ou fala do pai super herói, absolutamente perfeito. Esse fala sobre um cara que todo mundo vai se identificar. Que é um cara que ele até quer acertar, mas ele não tem os recursos, não teve referência paterna. Ele não sabe exatamente onde buscar as informações para o tipo de pai que ele sonha ser. Eu acho que é um retrato muito de uma geração de pais que estão aí dizendo: ‘Ah, vou fazer diferente. Quero ser um pai em um outro lugar'”.

Foto: Divulgação

Ainda em entrevista, o artista criticou o abandono paterno e chamou atenção para o problema. Segundo ele, dados apurados pelo autor do livro que deu origem ao filme, Marcos Piangers, apontam que, entre 2018 e 2020, o número de pessoas sem o nome do pai na certidão de nascimento no Brasil pulou de 5 para 11 milhões – o que representa um aumento de 120%.

“É muita gente abandonada. De 5 milhões para 11 milhões. É um dado meio chocante. O nosso filme acaba que fala desse pai também. Que eu acho que um dos méritos do filme é que tem o pai solo, que é o porteiro; tem o pai da [personagem da] Paolla Oliveira, que é aquele pai que acha que basta ser provedor… ele inclusive fala que mãe é peito e pai é bolso…; tem o pai do meu personagem, que abandona o filho, não registra, não aparece; e tem o Tom. Isso eu acho que é muito legal, porque cada um vai poder se identificar nesse filme”, relatou.

Lázaro também revelou que o filme tem emocionado as pessoas nas pré-estreias que vêm ocorrendo no Brasil, e aproveitou para convidar o público para assistir nas telonas a partir de quinta-feira.

“Eu acho que as pessoas vão se surpreender, porque é uma comédia que faz chorar também. E isso eu descobri nas pré-estreias. Eu não sabia que o filme iria ter esse componente emocional tão grande. Então, é por isso que eu quero muito que vocês possam assistir, porque é um entretenimento de grande qualidade. Um filme que pode, com certeza, juntar toda a família. É um dos filmes dos quais eu mais tenho orgulho de ter participado”, disse o ator.

O filme é protagonizado por Lázaro Ramos e Paolla Oliveira, que dão vida a Tom e Elisa – um casal que vive os desafios de ser pai e mãe pela primeira vez. Além dos dois, o elenco ainda traz Elisa Lucinda, Leandro Ramos e Dadá Coelho. Todos sob direção do cineasta Caíto Ortiz.

Leia mais sobre Cinema no ibahia.com e siga o portal no Google Notícias