Grupos destacam a importância da 'Caminhada Raízes da Bahia'


O Dique do Tororó foi palco da Caminhada Raízes da Bahia, neste domingo (24), que contou com mais de 1200 artistas de Salvador, Região Metropolitana, Baixo Sul, Sertão e Recôncavo Baiano. Para os grupos que participaram, o cortejo é fundamental para divulgar a cultura popular. “O Muzenza vai levar para essa caminhada a nossa beleza, a nossa cor, a nossa música, os nossos passos e movimentos. É um evento que vai mostrar um pouquinho de cada parte da Bahia. Salvador tem muita coisa bonita. Tem o Balé Folclórico, os Filhos de Gandhy, a batida da percussão afro, aquela coisa do Ilê [Aiyê], do Muzenza, do Olodum. Então é muito importante estarmos participando porque nós fazemos parte disso”, afirmou Claudia Mattos, rainha do bloco afro Muzenza.

Apaxes do Tororó foi um dos grupos que participou da Caminhada / Foto: GOV-BA

De acordo com o príncipe do Muzenza, Wesley Oliveira, neste período que antecede o Carnaval, há intensificação dos ensaios para garantir uma performance impecável durante as apresentações.  ” […] Que as pessoas venham assistir a este evento que não terá apenas blocos afro, mas afoxés também”, convidou o jovem dançarino.O presidente do Apaxes do Tororó, Adelmo Costa, grupo que foi ao desfile com cerca de 50 integrantes, entre percussionistas, destaques e diretores, também destacou que o desfile foi uma prévia do que virá no Carnaval. O grupo se apresenta no domingo (7), no Campo Grande. Para Adelmo, Salvador precisa de manifestações culturais como a Caminhada Raízes da Bahia.“A nossa cidade estava precisando disso. A Caminhada Axé [evento que inspirou a Caminhada Raízes da Bahia] ficou afastada há 11 anos e o povo estava com saudade, estava pedindo. Por esta razão, o Apaxes do Tororó se fará presente, levando a beleza, os seus artistas e a sua percussão para abrilhantar a festa”, comentou. De acordo com a Polícia Militar, o evento contou com um público de 10 mil pessoas. 

Veja também: