Mais Esportes

Clube afasta técnico de ginástica acusado de abuso sexual

Fernando de Carvalho Lopes estava no Mesc há mais de 20 anos

Agência O Globo
- Atualizada em

Acusado de abuso sexual por 40 jovens, o técnico de ginástica artistica Fernando de Carvalho Lopes foi afastado de suas funções do clube Mesc, em São Bernardo do Campo-SP. A decisão foi anunciada pela instituição nesta segunda, após o programa “Fantástico”, da TV Globo, tornar públicas as denúncias.

“Considerando a gravidade das acusações que recaem sobre o colaborador Fernando de Carvalho Lopes, veiculadas pela mídia na data de ontem, o clube MESC, por meio de sua administração, resolveu reforçar as cautelas anteriormente adotadas e determinou o afastamento do coloborador em questão de todas suas atividades nas dependências do Clube, até o final da apuração dos fatos pelas autoridades competentes. Reiteramos nosso compromisso com a segurança e bem-estar de nossos associados e visitantes”, informou o clube.


Fernando trabalha no Mesc, há 20 anos, com atletas de base. Todos homens. Desde a primeira denúncia, no entanto, há quase dois anos, ele vinha atuando apenas no setor administrativo.

Em 2016, às vésperas da Olimpíada do Rio, o técnico foi desligado da seleção brasileira por causa de uma denúncia de abuso sexual por parte dos pais de um menino menor de idade treinado por ele num clube de São Paulo. Neste domingo, o “Fantástico” mostrou que este jovem não foi o único a se dizer molestado e deu voz a alguns atletas e ex-atletas que, depois de anos, tiveram coragem de revelar seus casos. Ao todo, 40 pessoas afirmaram terem sido vítimas de abusos. Destes, 10 levaram o caso à Justiça. O Ministério Público de São Paulo já convocou várias pessoas para prestarem depoimento.

Todos acusam o técnico de aproveitar a pouca idade deles e a falta de conhecimento dos processos do treinamento para tocá-los insistentemente. Um dos poucos a falar abertamente sobre o assunto foi Petrix Barbosa, campeão pan-americano por equipes em 2011, em Guadalajara, no México, que pela primeira vez contou sua história.

A Confederação Brasileira de Ginástica disse que nunca teve notícias desses fatos.