Carnaval 2023

Olodum se posiciona contra mudança do circuito no Carnaval em 2023: ‘Precipitada’

No pronunciamento, a diretoria do Bloco Olodum informa que a mudança já em 2023 prejudica aqueles que já deram início às vendas dos abadás

Redação iBahia
05/08/2022 às 9h11

3 min de leitura
Foto: Magali Moraes

O grupo Olodum divulgou nesta sexta-feira (5) um comunicado contrário a mudança do circuito Dodô (Barra/Ondina) para a Boca do Rio, proposta do Conselho do Carnaval (Comcar) que ganhou grande repercussão neste segundo semestre de 2022.

No pronunciamento, a diretoria do Bloco Olodum informa que a mudança já em 2023 é precipitada e além dos impactos econômicos e sociais, prejudica aqueles que já deram início às vendas dos abadás para curtir a folia no ano que vem.

“Em meio a essas discussões, a diretoria do Olodum vem a público manifestar oficialmente a sua posição sobre o fato. Os dirigentes do bloco consideram precipitada a mudança que está sendo proposta a “toque de caixa”, ou seja, de forma açodada, sem planejamento, sem estudos sobre os impactos econômicos e sociais tanto no circuito Barra/Ondina, quanto no novo circuito e sem se preocupar com aqueles que já estão vendendo os seus produtos (camarotes e/ou fantasias), para o Circuito Dodô”.

Segundo o comunicado, se abadá já é comercializado para o desfile na Barra, os foliões buscam desfrutar daquilo que está sendo ofertado. Os artistas ainda buscaram um advogado especialista em direito do consumidor para embasar a opinião.

“Quando um bloco vende um abadá está fazendo uma promessa comercial sobre todos os itens conjuntamente anunciados: dia de desfile, atração escolhida, percurso, segurança, itens oferecidos (bebidas, alimentação), etc. Da mesma forma os camarotes. Como em qualquer relação de consumo, o anúncio vincula o fornecedor, gerando para ele a obrigação de cumprir com fidedignidade tudo aquilo que prometeu. Nos exemplos acima, sem sombra de dúvida que o consumidor teria direito à restituição do valor pago e até mesmo a uma indenização pela quebra do contrato”.

Foto: Divulgação

A banda afirma que caso a mudança seja concreta, o ideal é esperar para 2024, após estudos e um retorno seguro da folia em 2023.

“Portanto, para que não haja prejuízos para aqueles foliões e organizações carnavalescas que se planejaram com a devida antecedência para vender o seu serviço e desfilar no Circuito Barra/Ondina, ou para ali curtir o seu camarote e, do alto do seu conforto dar uma espiadinha em seus blocos e artistas preferidos, consideramos imperativo que a mudança do circuito seja repensada e que os estudos e planejamento relacionados à mudança, apontem se for o caso, a mudança para a folia momesca de 2024, ouvindo evidentemente os atores que dão vida e forma ao carnaval”.

Na última quinta-feira (4), o cantor Durval Lelys defendeu a permanência do circuito na Barra. Em entrevista ao iBahia, o artista também considerou a mudança precoce para a folia em 2023. “Se tiver que mudar, sou a favor da despedida, que não seja esse ano, mas que dê tempo de organizar e fazer essa transição”.

O cantor Bell Marques também se posicionou contra a transferência, assim como o vocalista da banda Eva, Felipe Pezzoni, que em entrevista ao iBahia declarou que o Bloco Eva, tradição na folia momesca, pode não desfilar no Carnaval de Salvador caso a mudança seja concretizada.

Leia mais sobre Carnaval no iBahia.com e siga o portal no Google Notícias