Salvador e RMS têm 131 tiroteios com 108 baleados em julho; 80% das vítimas morreram


Foto: Reprodução/TV Globo

O mês de julho registrou ao menos 131 tiroteios em Salvador e Região Metropolitana. Ao todo, 108 pessoas foram baleadas, com 84 mortes, o que representa cerca de 80%. Além disso, 24 pessoas ficaram feridas. O balanço é do Instituto Fogo Cruzado, divulgado nesta segunda-feira (8).

Segundo Cecília Olliveira, diretora executiva do Instituto, o resultado indica que, em média, três pessoas foram baleadas por dia e a cada oito tiroteios, oito aconteceram em Salvador.

“Isso significa que, em média, três pessoas foram baleadas por dia, em alguma das 13 cidades da região metropolitana. Dentre estes números estão vidas e famílias como a dos gêmeos rifeiros, mortos após saírem de uma festa no subúrbio de Salvador. Ainda não se sabe os motivos ou autores do crime, o que deixa a família ainda mais abalada”, comenta Cecília Olliveira .

“A cada 10 tiroteios na região metropolitana, oito aconteceram na cidade. A capital teve 105 tiroteios, 67 mortos e 20 feridos. São números bem graves, que indicam o tamanho do problema”, completa.

Os números começaram a ser levantados em julho, quando o Instituto passou a mapear a Bahia, junto com a Iniciativa Negra por uma Nova Política de Drogas (INNPD).

O balanço também mostra que dos 131 tiroteios mapeados, 37 ocorreram durante ações ou operações policiais, deixando 25 pessoas mortas e seis feridas.

Um desses casos aconteceu no bairro de Itinga, em Lauro de Freitas. Dois adolescentes, de 14 e 15 anos, foram baleados enquanto conversavam na porta de casa.

O coordenador da Rede de Observatórios da Segurança na Bahia e cofundador da Iniciativa Negra por Uma Nova Política de Drogas, Dudu Ribeiro, destaca que os dados são importantes para cobrar políticas públicas de qualidade contra a violência urbana.

“Uma das grandes questões quando o assunto é segurança pública é a qualidade e a transparência na produção de dados. Historicamente temos visto uma resposta da segurança pública baseada em incentivos ao punitivismo e em bravatas, e ainda muito afastada da produção de dados. Essa parceria com Fogo Cruzado vem para buscar cada vez mais qualidade nesses dados, para que possam embasar as demandas das organizações da sociedade civil e também do poder público”, afirma.

O primeiro relatório foi feito de forma colaborativa e anônima, com registro de dados e informações sobre tiroteios e violência por arma de fogo. Os dados são coletados por aplicativo, e o Instituto realiza levantamento e faz a contabilização, especificando as localidades e os recortes.

O mapa da violência armada

Entre a capital e a região metropolitana, os cinco mais afetados pela violência armada foram:
Salvador: 105 tiroteios, 67 mortos e 20 feridos
Camaçari: 12 tiroteios, 7 mortos e 1 feridos
Vera Cruz: 3 tiroteios, 3 mortos
Lauro de Freitas: 3 tiroteios e 3 feridos
Candeias: 2 tiroteios, 2 mortos

O perfil da violência armada
Ao todo, três agentes de segurança foram baleados em Salvador e Região Metropolitana: um morreu e dois ficaram feridos.

Houve sete casos de ataques armados sob rodas, quando pessoas passam em carros atirando. Ao todo, nove pessoas foram baleadas nestes casos: seis morreram e três ficaram feridas.

Três pessoas foram atingidas por balas perdidas em julho. Nenhuma delas morreu. Todas as vítimas foram atingidas durante ações ou operações policiais.

Uma pessoa morreu em uma ocorrência registrada no transporte público. E três pessoas morreram em ocorrências registradas em bar.

Leia mais sobre Bahia em iBahia.com e siga o Portal no Google Notícias.