Candidatos ao governo da Bahia dizem o que pensam sobre combate ao analfabetismo em série do g1


Candidatos ao governo da Bahia
Arte: iBahia

Um estudo divulgado pelo Instituto de Geografia e Estatística (IBGE) em 2020 apontou que a Bahia tinha o maior número de analfabetos do país. Em 2019, a a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC) indicou que mais de 1,5 milhão de pessoas de 15 anos ou mais não sabiam ler nem escrever um bilhete simples, o que corresponde a 13% da população do estado.

Combate ao analfabetismo em é o tema do quarto episódio da série “O que pensam os candidatos”, do g1, divulgado nesta quinta-feira (11). No último dia da série, os candidatos falarão sobre propostas contra o desemprego.

Nos episódios anteriores, os temas foram:
Segunda-feira (8): combate à violência
Terça-feira (9): combate à violência contra a mulher
Quarta-feira (10): combate à pobreza

Confira o que pensam os candidatos ao governo da Bahia sobre analfabetismo:

João Roma (PL)

João Roma diz que não faltam recursos para educação, mas diz que os investimentos não estão sendo adequados para que a Bahia tenha uma sociedade com acesso ao conhecimento. “Queremos cada vez mais melhorar a forma de investir na educação, colocando a educação como prioridade e fazendo um programa de qualidade no ensino do estado da Bahia, para que não estejamos cada vez mais passando por esse tipo de vexame”.

Kleber Rosa (PSOL)

Kleber Rosa diz que o principal programa de enfrentamento ao analfabetismo em seu governo será o da educação de jovens adultos. Ele destaca sua experiência como professor para falar sobre evasão escolar. “No nosso programa faremos a defesa incondicional ao EJA como principal política de enfretamento e vamos garantir condições sociais para que o nosso estudante possa estar em sala de aula com condições de permanência e dignidade”.

ACM Neto (União Brasil)

ACM Neto diz que é preciso que o governo compreenda seu papel na educação da pré-escola até a universidade. Entre as promessas do candidato, está a criação de um fundo para ajudar no financiamento da educação.

“O fundo vai dar apoio para as prefeituras ampliarem as vagas na educação infantil, terem uma base pedagógica de qualidade, além de formar professores, fazer avaliação externa dos alunos e um trabalho de alfabetização na idade certa. Além de ajudar com os recursos desse fundo, vamos criar um prêmio para os municípios que mais avançarem na qualidade da educação”.

Giovani Damico (PCB)

Giovani Damico cita experiências de ensino no Brasil e no mundo que podem servir de modelo para o combate ao analfabetismo no estado. Ele ainda destaca a importância da educação para grupos além dos de idade escolar regular. “Temos a necessidade de retomar o ensino de jovens e adultos, em especial, garantindo que os trabalhadores possam ter no ensino noturno espaço a sua educação, e que os nossos jovens tenham garantido acesso à bolsas que garantam que eles não precisem trabalhar em idade precoce, o que prejudicaria enormemente o seu estudo”.

Jerônimo Rodrigues (PT)

Jerônimo Rodrigues defende que a pauta ” “exige colaboração entre o Estado, município e União”. Ele diz que o Governo Federal deixou de estimular as famílias beneficiárias do programa de transferência de renda a matricular os seus filhos na escola. “No meu governo, eu vou enfrentar esse problema priorizando a educação de jovens e adultos. Vou realizar busca ativa permanente e vamos fazer isso em parceria com os movimentos sociais com os municípios e setor produtivo. Teremos um olhar ainda mais atento para os segmentos sociais mais excluídos”.

Leia mais sobre Eleições 2022 no iBahia.com e siga o portal no Google Notícias

Veja também: