Leandro Lo, um dos maiores nomes do jiu-jitsu mundial, tem morte cerebral após ser baleado na cabeça


Foto: Reprodução

O mundo das lutas amanheceu de luto. Um dos maiores nomes da história do jiu-jitsu mundial, o brasileiro Leandro Lo teve morte cerebral. Na madrugada deste domingo, o atleta se envolveu numa briga com um policial em uma festa em São Paulo e foi atingido com um tiro na cabeça.

A briga ocorreu durante um show de pagode da banda Pixote, no Esporte Clube Sírio, em Indianópolis, região Sul de São Paulo. Uma fonte ligada à família contou que o autor dos disparos se aproximou do grupo de amigos de Leandro e, em tom de provocação, chacoalhou uma garrafa de bebida que estava sobre a mesa. Para se proteger, o lutador derrubou o rapaz com um movimento de domínio. Assim que liberado, o homem andou poucos passos, deu meia-volta e atirou.

Segundo testemunhas do homicídio, o autor dos disparos é um policial militar. Ele está foragido. O clube tem o controle da entrada dos frequentadores armados e as testemunhas identificaram o homem por fotografia, de acordo com a fonte ligada à família. A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo e a Polícia Militar ainda não se manifestaram a respeito.

De acordo com a assessoria de imprensa da Polícia Militar, o campeão mundial de jiu-jitsu foi encaminhado com vida ao Hospital Municipal Doutor Arthur Ribeiro de Saboya, onde teve morte cerebral.

O currículo de Leandro sinaliza o tamanho da perda. O brasileiro de 33 anos foi oito vezes campeão mundial de jiu-jitsu em cinco categorias diferentes. Ele conquistou cinco Copas do Mundo da modalidade e ainda ganhou oito Pan-americanos do esporte.

Em 2019, abriu mão de título por retribuição

Leandro era conhecido não só por sua técnica, mas também pela postura esportiva. No Mundial de 2018, ele se sagrou campeão absoluto depois que seu adversário na final, Marcus Buchecha, abriu mão do título porque Lo não tinha condições de lutar (ele lesionara o ombro na decisão do super pesado, disputada antes).

Na edição seguinte, em 2019, o destino colocou os dois novamente na luta decisiva. Mas, como forma de retribuição pelo gesto do ano anterior, Leandro abdicou de disputar a final para que o Buchecha ficasse com o título do absoluto.

Leia mais sobre Esportes no iBahia.com e siga o portal no Google Notícias